11 de Maio de 2021
tema02

Notícias

EM REUNIÃO COM ASSESSORES E VICE, PREFEITO BRUNO NETO DEFINE METAS E AÇÕES PARA A AGRICULTURA EM ANGICAL(PI)

O prefeito Bruno Neto reuniu o vice-prefeito, Hélder Jordão, além dos secretários e assessores na manhã desta segunda-feira (01\3) para definir novas metas e ações na agricultura em Angical(PI).

O prefeito Bruno Neto reuniu o vice-prefeito, Hélder Jordão, além dos secretários e assessores na manhã desta segunda-feira (01\3) para definir novas metas e ações na agricultura em Angical(PI). A proposta da reunião é manter um diálogo entre as equipes da secretaria de agricultura, do meio ambiente, da Agência de Defesa Agropecuária (Adapi) e da Empresa de Assistência Técnica e Extensão Rural (Emater), com o intuito de fomentar a produção de alimentos “in natura” no município.

Na reunião com os assessores foi discutida a melhor forma de desenvolver a produção rural e construir uma mentalidade empreendedora no agricultor que já trabalha para a subsistência familiar. Segundo, o prefeito Bruno Neto, “ é preciso repensar a agricultura angicalense não só para produção alimentícia da família,  mas também para gerar lucro para o trabalhador.”

Com a compreensão de todos foi definida ainda, a criação e implantação do projeto “quintais produtivos” no município. O projeto parte de um estudo técnico nas zonas produtivas em Angical elaborado pela prefeitura municipal, através das secretarias de desenvolvimento rural e meio ambiente.

A principal característica dos “quintais produtivos” é incentivar à produção através da agricultura familiar com  o cultivo de hortas comunitárias na zona rural e urbana em Angical. “Nosso propósito é colocar em prática o projeto o quanto antes para o agricultor começar a produzir e comercializar os seus produtos, “ esclarece o secretário de desenvolvimento rural, José Santos.

Os quintais produtivos buscam também conscientizar à população da necessidade de obter renda, através do incentivo que a gestão municipal dará aos agricultores. Segundo o vice-prefeito,  “antes de aplicar o projeto  será feito de imediato um levantamento dos agricultores nas comunidades e zonas urbanas.  Só assim vamos colocar em prática”, finaliza.

A meta de implantação do projeto terá inicialmente um prazo mínimo de seis meses.